8 principais tendências do e-commerce para 2022

Bookmark(0)

Com o crescimento acelerado das vendas online no Brasil em 2020 e 2021, a concorrência no mercado está cada vez mais latente. Segundo o 44º relatório da Webshoppers, 6,2 milhões de pessoas fizeram a sua primeira compra online no primeiro semestre de 2021. 

Sendo assim, para ocupar um espaço relevante em um meio tão competitivo, é essencial incorporar inovações ao seu negócio para reforçar a autoridade da sua marca e potencializar a experiência do consumidor.

Para ajudar você nessa jornada, separamos 8 tendências do e-commerce para 2022! Confira!

1. Super Apps

A difusão dos smartphones na sociedade provocou uma mudança na forma de utilização da internet pelo mundo. Segundo um estudo feito pela Smart Insights, mais da metade de todo o tráfego na web é proveniente de dispositivos mobile. Até 2025, a previsão é que esses números aumentem em 25%.

Além disso, analisando o comportamento dos usuários em dispositivos móveis, o site Statista.com aponta que 90% do uso da internet é gasto em apps, sendo que quase 80% desse tempo é dedicado a apenas três aplicativos. 

Para se adequarem a essa tendência de consumo centralizado, alguns aplicativos procuram agregar várias funcionalidades como chat, pagamentos, compras, jogos e serviços de delivery em um só lugar. São os chamados super apps

Por que investir:

  • Concentra a experiência do cliente em um único lugar
  • Otimiza a retenção e captação de novos usuários
  • Ótima fonte de dados dos consumidores

Case:

Ambev: Para explorar as oportunidades do mercado aquecido de venda de bebidas online, a Ambev lança mão de dados fornecidos pelos super apps para entender mais sobre o perfil dos consumidores e melhorar o posicionamento de seus produtos nessas plataformas.

Um forte parceiro da grande marca de bebidas, por exemplo, é o Rappi. Em colaboração com o super app, a Ambev trabalha com três principais vertentes: supermercados, restaurantes e dark stores. O alinhamento estratégico entre marca, aplicativos, varejo e análise de dados do mercado é um fator essencial para o impulsionamento das vendas online da empresa.

EQI América Latina

2. Live Commerce

Durante a pandemia de coronavírus, os fãs das lives realizadas por vários artistas foram apresentados pela primeira vez, em muitos casos, a um novo tipo de comércio. 

Durante as apresentações transmitidas ao vivo, era possível apontar o celular para um QR Code que direcionava o espectador a um link de pagamento. Os valores poderiam ser correspondentes ao valor de um ingresso, uma doação ou à compra de um produto. Essa estratégia tem o nome de live commerce. 

Em 2021, mais de 320 milhões de pessoas na China efetuaram ao menos uma compra por transmissão ao vivo (livestream). A previsão é de que mais de 45% dos consumidores digitais do país façam compras por live commerce até 2023.

Por que investir:

  • Aproxima o vendedor do consumidor
  • Aumenta o engajamento do público com a marca
  • Transmite confiança para o shopper

Cases:

Americanas e Big Brother Brasil: De acordo com o portal Mercado e Consumo, a Americanas obteve mais de 6,8 milhões de buscas pela marca na internet como resultado do investimento massivo em patrocínio na edição de 2021 do reality show brasileiro.

Durante as provas e em outros momentos de inserção, era possível ler um QR Code na tela e ser redirecionado ao app da marca.Tendências do e-commerce para 2022 case Americanas

Farm: Desde 2020, a grife do Grupo Soma produz a Lojix, uma loja 100% digital e interativa em formato de live. Durante as transmissões, as vendedoras apresentam a nova coleção e é possível comprar ou obter informações sobre os produtos em uma aba lateral.

Tendências do e-commerce para 2022 case Farm

3. Entrega imediata

Um dos diferenciais mais disputados atualmente pelos players no e-commerce é a velocidade da entrega. Os consumidores têm se acostumado cada vez mais a receberem seus pedidos um dia após o pagamento e até no mesmo dia.

Para acelerar esse processo, empresas como o Mercado Livre e Amazon estão aumentando seus investimentos em fulfillment. Essa solução consiste na manutenção de grandes espaços localizados em pontos estratégicos, de onde é feita toda a operação de armazenamento de estoque, recebimento e preparação dos pedidos, emissão de nota fiscal, entrega e rastreio dos produtos.

Outra boa estratégia é a utilização de centros de distribuição onde o cliente pode retirar a mercadoria comprada pelo site. Assim, os shoppers que preferem não pagar o frete ou precisam de um produto com urgência não ficam presos ao prazo de entrega.

Por que investir:

  • Aumenta a satisfação dos clientes
  • Fideliza novos consumidores
  • Otimiza os processos da empresa

Case:

Mercado Livre: No momento atual, 30% das vendas do Mercado Livre são entregues no modelo fulfillment. O e-commerce mais popular da América Latina pretende ampliar essa infraestrutura logística até o final de 2022 com mais dois centros de distribuição no país, um em Franco da Rocha, São Paulo, e outro em Belo Horizonte, Minas Gerais.

Tendências do e-commerce para 2022 case mercado livre

4. Voice Commerce

Os dispositivos controlados por comandos de voz já fazem parte do nosso dia a dia e conversar com a Alexa, assistente virtual da Amazon, é normal para um número cada vez maior de pessoas. O ponto positivo é que esse tipo de tecnologia também abre portas para o e-commerce.

Estima-se que em três anos aproximadamente 40% das transações sejam realizadas, ou pelo menos iniciadas, por meio de comando de voz.

Por que investir:

  • Aumenta o reconhecimento da marca por ser um mercado inovador
  • Complementa a estratégia omnichannel

Case:

Alexa e Amazon: Já é possível adicionar produtos ao seu carrinho da Amazon e realizar a compra unicamente com comandos de voz direcionados à Alexa. Os shoppers mais atarefados podem, por exemplo, adicionar itens de seu interesse ao carrinho e comparar as condições de compra quando estiverem com tempo disponível.

Tendências do e-commerce para 2022 case amazon

5. Shoppable

Seguindo a tendência citada no início deste texto, os apps estão evoluindo para contemplarem a jornada de compra completa do cliente, incluindo a vitrine de produtos, atendimento e pagamento.

Para os lojistas, a ideia é descentralizar o checkout, ampliando as opções de pagamento para cada tipo de shopper.

Por que investir:

  • Simplifica a jornada do cliente
  • Expande o alcance da marca

Otimiza os processos para varejistas e clientes

Case:

Whatsapp Pay: Desde dezembro de 2020 já é possível utilizar a ferramenta de pagamentos do app em conversas com lojas. A funcionalidade está disponível para as contas Business em transações que envolvam cartões Visa e Mastercard. 

Além dessa função nativa, algumas máquinas de cartão já permitem que as empresas gerem links de pagamentos que podem ser enviados diretamente aos clientes em uma conversa pelo WhatsApp. Assim, pelo app é possível realizar um atendimento personalizado, criar um carrinho de compras e realizar pagamentos.

Tendências do e-commerce para 2022 case whatsapp

6. Marketing de influência

Estratégias realizadas com grandes influenciadores, com milhões de seguidores nas redes sociais, já provaram sua eficiência em números de alcance de audiência. Porém, por não resultarem em métricas proporcionalmente altas em termos de engajamento e representarem um investimento muito alto, muitas empresas têm optado por campanhas em parceria com KOL’s (Key Opinion Leaders).

Geralmente representado por um microinfluenciador, um KOL possui menos seguidores, mas de melhor qualidade, mais leais e altamente engajados. Algumas das principais características dessas personalidades são a autenticidade, posicionamento claro e a produção de um conteúdo que realmente faz sentido para o seu público.

 Por que investir:

  • Amplia o engajamento da marca
  • Aumenta os números de conversão
  • Transmite mais confiança ao público

Cases:

Bally: A marca fashion, na China, realizou duas estratégias de divulgação que demonstram a força do KOL. Primeiramente, a marca promoveu e impulsionou posts em 3 redes sociais (Weibo, Red e WeChat). Em seguida, rodaram uma ação com sete key opinion leaders. Os resultados foram os seguintes:

Campanha nas redes sociais:

  • 2,3 milhões de impressões
  • 24 mil de engajamento
  • 1,4% de conversão

Campanha com KOL’s

  • 3,3 milhões de impressões
  • 786 mil de engajamento
  • 24% de conversão

case bally

Miette Dierckx: Com apenas 35,7 mil seguidores no Instagram, a microinfluenciadora já realizou parcerias com grandes marcas como Coca-Cola, Lay’s e La Roche-Posay

 case coca cola

7. Re-commerce

Outro mercado acelerado pela pandemia foi o de produtos usados. Segundo uma pesquisa realizada pela OLX em 2020, 39% dos brasileiros entrevistados já compraram algum produto usado na internet. Dentre eles, 45% o fizeram após o surto de Covid-19.

Por que investir:

  • Os consumidores valorizam cada vez mais valores como sustentabilidade
  • Oportunidade de novo segmento para o negócio
  • Melhora a experiência de compra de produtos de segunda mão.

Cases:

Meu Game Usado: Também conhecido como MGU, o e-commerce de usados está no ar desde 2015 e faz parte de uma das maiores lojas de games do Brasil, a ShopB. Nele, é possível comprar ou vender jogos, consoles, acessórios e vários outros tipos de produtos de segunda mão, com a garantia de 6 meses.

 case game usado

Enjoei: Trata-se de um marketplace onde as pessoas podem criar suas próprias “lojas” para venderem diversos tipos de produtos usados, desde roupas a móveis e decoração. A marca já realizou parcerias com o canal de televisão GNT, durante o programa Desengaveta.

Em 2020, a Enjoei estreou na Bolsa de Valores e foi avaliada em R$ 2 bilhões pelo IPO.

case enjoei

8. Experiências 3D

Inserir o shopper em uma experiência de compra mais interativa é um objetivo buscado pelos varejistas digitais para preencher a lacuna deixada pela falta de contato do consumidor com os produtos. 

Algumas empresas têm investido no desenvolvimento de plataformas que permitem testes de seus artigos de forma virtual, pelo desktop ou por meio de apps.

Por que investir:

  • Diminui a taxa de devolução por insatisfação
  • Auxilia o consumidor a fazer escolhas mais assertivas
  • Aumenta a confiança do shopper no produto

Case:

A marca de tintas Coral disponibiliza o app Coral Visualizer. Com ele, basta apontar a câmera do seu smartphone para a parede que você pretende pintar, escolher uma cor e clicar na tela. Pronto, você já possui uma prévia de como ficará seu ambiente sem utilizar uma gota de tinta.

 case coral
E aí? Sua empresa está preparada para seguir as principais tendências do e-commerce em 2022? Se quiser aprofundar ainda mais seu conhecimento sobre super apps, confira essa pesquisa de mercado criada pela Lett em conjunto com a Opinion Box sobre o comportamento dos consumidores nos apps de delivery!

 

Especialista em Inbound Marketing na Lett e uma jornalista apaixonada pelo que faz. Fascinada por viagens e que adora experimentar comidas diferentes.

5 1 vote
Article Rating
Seguir
Notificação de
guest
2 Comentários
antigo
recente mais votado
Inline Feedbacks
View all comments
Bia
Bia
29 dias atrás

Ótimo conteúdo!!!

Luiz Gustavo
Luiz Gustavo
27 dias atrás

A ideia de super apps pode ser a mais interessante até agora, pois centraliza muitas atividades de um usuário moderno em um só lugar.

EQI 2020: a qualidade do e-commerce sob a perspectiva do consumidor final.