Fotos no e-commerce: prós e contras de produzir suas próprias imagens

1 novembro - 2018
12 mins

“Uma imagem vale mais que mil palavras”. Você já deve ter ouvido esse ditado popular e, quando o assunto é e-commerce, ele faz total sentido. A imagem é a primeira coisa que o usuário vê em uma página de produto e ela faz muita diferença no momento da compra.

Pense na sua experiência como consumidor. Você já desistiu da compra, porque não conseguiu dar zoom na imagem ou não sabia a dimensão real do produto? Ou acabou comprando um item online e quando chegou na sua casa estava diferente da foto do site?

Infelizmente, esses problemas são bem comuns e também acontecem com frequência com os seus clientes. Imagens de baixa qualidade, desatualizadas e com design ruim afetam a percepção e interesse dos usuários pela sua loja online. E o pior, eles acabam procurando outros sites com melhor experiência de compra e podem encontrar seus concorrentes.

Mas como criar fotos adequadas para o seu e-commerce? O ideal é produzir internamente ou buscar com fornecedores? Vamos falar sobre isso e muito mais no post de hoje. Confira!

Como lidar com um consumidor cada vez mais exigente?

Você já ouviu falar em varejo omnichannel? Ou ainda em consumidor omnichannel? Se você não sabe o que é isso, está na hora de descobrir!

Omnichannel é um conceito no qual os consumidores possuem interações tanto no ambiente físico quanto no online durante a jornada de compras. Isso acontece muito hoje em dia, principalmente em compras de alto valor que exigem muitas informações para a tomada de decisão.

Por exemplo, imagine que você quer comprar um sofá e encontrou um modelo que gostou em um e-commerce. Porém, você não sabe se ele é realmente confortável. Então, o que você faz? Vai a uma loja física, sente o conforto do produto e compra pela internet – se o preço for mais baixo.

A realidade do e-commerce é bem diferente do ambiente físico. No comércio eletrônico, não há vendedores para explicar os detalhes do produto. Então, o principal desafio do varejo online é conquistar o consumidor com uma página de produto completa e que tire todas as suas dúvidas.

Seguindo essa lógica, é preciso compreender que: o seu cliente espera ter uma experiência de compra online tão boa quanto ele teria em uma loja física. E o que ele precisa para tomar uma decisão de compra e ainda se fidelizar à sua marca? De informações! Isso mesmo: consumidor na dúvida não compra.

E ainda, imagine uma página de produto sem imagem ou de baixa qualidade? As chances de abandono do site são muito grandes.

Você sabia que 3 a cada 10 consumidores abandonam a compra devido a falta de informações nas páginas de produto no e-commerce?

Portanto, as fotos no e-commerce não são só importantes, são imprescindíveis.

Por que as fotos são tão importantes para o e-commerce?

A imagem é dos principais fatores de conversão no comércio eletrônico e não é à toa. Ela é a maior atração do produto no momento da compra. É ela quem faz o consumidor clicar sobre um produto na grade de buscas e também é ela que inspira o consumidor a comprar ou não o produto.

Vamos a um outro exemplo:  

Imagine que você esteja focado em atividades físicas e resolveu comprar um tênis pela internet. Mas você ainda não sabe qual marca e nem modelo.

Para se decidir, além do preço, você precisa definir a cor. E como você escolhe? Por meio de imagens, de preferência de muitas imagens que mostrem o produto de frente e em outras posições.

Porém, as fotos que você encontra estão com baixa resolução e embaçadas. Você compraria? Um site assim não passa credibilidade, já que você não consegue visualizar o produto, não é mesmo?

O fato é que as fotos no e-commerce são importantes desde quando esse tipo de venda existe. Em sua apresentação no Internet Retailer Conference & Exhibition 2012, Lauren Freedman, presidente da The E-tailing Group, disse que a informação do produto deve começar com imagens como parte da experiência de compra online.

Além disso, ele apresentou um estudo que mostra que 75% dos usuários considera imagens de qualidade como um fator decisivo no momento da compra.

E tem mais! Um teste A/B realizado pela Optimizer apontou que imagens de qualidade aumentam a conversão de vendas em 9%.

O que você deve considerar ao incluir uma imagem no seu site?

Como falamos, as imagens comprovadamente aumentam as vendas no e-commerce. E existem alguns fatores que devem ser levados em consideração na hora de produzir as suas:

1. Resolução mínima de imagens para o e-commerce

Para que o consumidor consiga visualizar seu produto para tomar uma decisão de compra, você deve apostar nos detalhes. Portanto, é muito importante se preocupar com a resolução das imagens.

Assim, quanto mais pixels ela tiver, melhor será a sua nitidez. Porém, não adianta inserir uma imagem muito pesada, pois isso pode atrapalhar o tempo de carregamento da sua página e afastar usuários.

O recomendável é ter no mínimo:

  • Imagens retangulares: 640 x 480 pixels
  • Imagens quadradas: 640 x 640 pixels

Vejamos o exemplo do Google Shopping. Desde a sua atualização em 2016, as recomendações são:

  • Forneça a maior imagem disponível com fundo branco.
  • Examine a URL da imagem para encontrar o redimensionamento de parâmetros que renderizam uma imagem menor.
  • Evite incluir informações temporais, como preço ou promoções ou logos nas imagens.
  • O tamanho mínimo para imagens para não são de vestuário é de 100×100 pixels
  • O tamanho mínimo para imagens que são de vestuário/moda é de 250×250 pixels.
  • O tamanho recomendado para todos os produtos é de pelo menos 800 x 800 pixels
  • As imagens não podem ser maiores que 16MB.

2. Função zoom

Você já deve ter reparado que diversos e-commerces hoje utilizam a função zoom, ou seja, permitem que o usuário dê um zoom para ver melhor a imagem. Isso é fundamental para mostrar os detalhes do produto e tirar dúvidas do consumidor.

Veja esse exemplo da Netshoes:

fotos no e-commerce

O zoom faz toda diferença, não é mesmo?

3. Imagens secundárias

Você se sentiria confortável para comprar um tênis se o site disponibilizasse apenas uma imagem? É bem possível que não. Afinal, como você vai se decidir se não puder ver o produto em várias posições e com mais detalhes? É por isso que as imagens secundárias são tão importantes.

Utilizamos um exemplo da Dafiti para ilustrar esse fato. Veja que o tênis abaixo possui uma imagem principal e mais outras 3 fotos secundárias que mostram o produto em várias posições.

fotos no e-commerce

Porém, nem todas as lojas online se preocupam com as imagens secundárias, também chamadas de extras. O EQI, a pesquisa que avalia a qualidade do e-commerce brasileiro, considera que cada produto deve ter 2 ou mais imagens para oferecer uma boa experiência de compra online.

Porém, não são todas as lojas online que oferecem esse recurso. O estudo mostrou que apenas 34% do comércio eletrônico possuem imagens secundárias.

Você deve ou não tirar as fotos para o seu e-commerce?

Se você perguntasse a algum especialista em e-commerce se você deve tirar suas próprias fotos ou não, provavelmente a resposta seria: depende.

Como já falamos, as imagens fazem toda diferença no momento da compra, porém o fato de tirar as fotos em estúdio ou buscar com os fornecedores é algo que realmente depende.

Depende do seu segmento de atuação, depende do grau de maturidade dos fornecedores do seu e-commerce e também depende do investimento que a sua empresa tem para fazer isso.

Então, resolvemos listar vantagens e desvantagens de tirar as suas próprias fotos no e-commerce.

Vantagens

1. Qualidade das imagens

Quando você produz as imagens para o seu e-commerce, a qualidade é o primeiro ponto que você deve levar em consideração. Em um estúdio, você consegue criar imagens em diversos ângulos e oferecendo mais detalhes, o que aprimora a experiência de compra online.

Além disso, você tem imagens exclusivas dos produtos, diferentes de outros sites (pelo menos até que um competidor copie). No entanto,

O Google não indexa imagens e isso não influencia no seu rankeamento (SEO).

2. Imagens fiéis ao produto

Além da qualidade das imagens, outra vantagem de tirar as próprias fotos no e-commerce, é que elas realmente são fidedignas ao produto. Principalmente no mercado da moda, é comum que fornecedores enviem imagens de baixa qualidade ou que não representam realmente o que é a mercadoria.

Isso é o que acontece na World Tennis. O Diretor de E-commerce, Luiz Gomide, ressalta que a empresa possui um estúdio interno para tirar as próprias fotos e para evitar transtornos. “Já passei por situações em que comprei um produto do fornecedor pela imagem que ele me enviou e quando o tênis chegou para gente, era totalmente diferente da foto. Então, preferimos tirar as imagens internamente para manter a realidade do que é o produto”, ressalta.

fotos no e-commerce

3. Necessidade para o segmento de moda

Se você tiver um e-commerce de moda, provavelmente você terá que tirar as suas próprias fotos. Nesse sentido, nem seria uma vantagem, mas sim uma necessidade. O segmento de vestuário abrange diversas questões que empresas que bens de consumo embalados (CPG), por exemplo, não enfrentam.

Como na maioria dos casos, as fotos das roupas são de modelos, você precisa ficar atento ao direito de imagem de cada uma dessas profissionais. Veja o exemplo abaixo da Dafiti:

fotos no e-commerce

Os produtos em questão são da Hering, porém a Dafiti tira as suas próprias fotos, pois não pode utilizar o direito de imagem dos modelos da Hering. Além disso, tem o branding da marca por trás. A Dafiti já criou uma estratégia de vendas, então prefere utilizar fotos próprias.

Desvantagens

1. Problema com alto volume de produtos

Quando você possui um alto volume de produtos no e-commerce, tirar as próprias fotos é algo bem desafiador. Afinal, gerenciar as imagens de todos os produtos do catálogo demanda um esforço operacional muito alto.

Esse é o caso da Drogaria Venâncio, que possui mais de 5 mil SKUs para vender. Imagine tirar as fotos de todos esses produtos? Isso demanda muito esforço e um alto custo de produção.

É exatamente o que a explica a Analista de E-commerce da Venâncio, Victória Melaço. “Já é comprovado que as imagens de qualidade aumentam as taxas de conversão e para nós é totalmente inviável tirar fotos de tantos produtos. Então, recebemos as imagens das indústrias e inserimos no site.”

Então, por meio de uma plataforma de catálogo online, a drogaria busca a imagem do SKU e insere no site, assim como as demais informações, como título e descrição.

Por exemplo, veja o produto abaixo da Nestlé:

fotos no e-commerce

Portanto, quem trabalha com um alto volume de produtos pode:

  • Tirar as próprias fotos: demanda um esforço e custo muito alto.
  • Procurar no Google: não é garantido que você irá encontrar as imagens que precisa e, geralmente, as imagens são comprimidas e de baixa qualidade.
  • Conseguir com os próprios fabricantes: isso pode ser feito entrando em contato com eles ou utilizando uma plataforma especializada, como o Placeholder.

2. Alto custo de produção

Ao tirar as fotos dos produtos que você vende, você terá um alto custo de produção, como:

  • Processo de lançamento de novos produtos lento, fazendo com que você deixe de vender por falta de acervo de imagens;
  • Custos com construção ou aluguel de um estúdio;
  • Fotógrafo;
  • Compra e manutenção de equipamentos fotográficos que podem ficar obsoletos em pouco tempo;
  • Escolha das imagens e quantidade por produto;
  • Tratamento das imagens.

Esses fatores demandam muito tempo da sua equipe de e-commerce e acabam atrapalhando as suas vendas, principalmente se o seu time for pequeno.

E dos principais problemas nesse caso é: atualização das imagens quando o produto muda a embalagem.

Imagine que você venda Leite Ninho, da Nestlé no seu e-commerce. Esse produto está no mercado há muitos anos e já mudou de embalagem diversas vezes. Se você não conhece, é esse aqui:

fotos no e-commerce

Imagine, como a equipe de e-commerce saberá quando embalagem foi modificada para tirar novas fotos? A Victória, da Venâncio, ressalta esse ponto: “nós teríamos problemas no cadastro de produtos se tivéssemos que atualizar todas as imagens. Então, quando elas vêm das indústrias, vale muito mais a pena”.

3. Desafio com a versão mobile

Você deve estar cansado de saber que as vendas pelo celular não param de crescer, não é mesmo? O problema é que muitos e-commerces não oferecem uma boa experiência de compra no mobile.

Você já parou para pensar que mesmo se as suas imagens estiverem em alta qualidade, elas podem não estar otimizadas para pequenas telas? Ou seja, podem não se adequar às aos smartphones e outros dispositivos móveis?

Pense como você se sentiria sendo um consumidor final em uma situação dessas. Provavelmente deixaria o site para ir para outro, talvez pensasse em comprar pelo computador ou simplesmente abandonaria a compra. Acertei?

Os números comprovam essa realidade: 79% dos usuários de smartphones esperam obter informação imediata quando usam o aparelho para procurar informações na internet, segundo o Google. Imagine uma imagem tampando toda a página?

E a verdade é: o consumidor não perdoa experiências ruins no mobile. Esse mesmo estudo do Google apontou que quando isso acontece, 43% dos usuários procuram o site de outra marca e 41% dificilmente retornam ao site. Impressionante, não é mesmo?

Além disso, alguns fatores deixam os consumidores ainda mais insatisfeitos:

  • 67% se sentem incomodados com a demora para carregar o conteúdo;
  • 66% se irritam quando não encontram o que buscam;
  • 60% se aborrecem se o site não é funcional;
  • 56% detestam sites que exigem muitos passos para finalizar uma compra ou para encontrar o que é preciso.

4. Dificuldade de oferecer opções interativas aos usuários

Como já falamos, o consumidor está cada vez mais exigente e, para conquistá-lo, é preciso ir além do básico.Ter imagem na página de produto é uma obrigação, mas então como o seu e-commerce se diferencia dos concorrentes? Ao oferecer mais informações! Isso pode ser desafiador se você produzir as suas próprias imagens devido ao tempo que essa tarefa demanda.

Nesse sentido, estamos falando de inserir informações que tiram dúvidas dos consumidores dentro das próprias fotos ou oferecer conteúdos ricos para que o usuário tenha certeza que é isso que deseja comprar.

Abaixo explicamos mais sobre esses conteúdos!

Como surpreender seu consumidor online e se destacar da concorrência?

Para valorizar o seu e-commerce e conquistar clientes fiéis, é importante investir em conteúdos de qualidade e mais que isso, investir em conteúdos diferenciados. Vamos a alguns exemplos:

1. Imagens hero

As imagens hero ou “hero images” são aquelas que utilizam banners e zoom para destacar as características principais do produto, como tamanho. O Delivery Extra utiliza esse recurso com frequência:

fotos no e-commerce

Repare que ao lado da foto do produto há um banner destacando que a cerveja é de 330ml. Imagine se não tivesse nada? O consumidor provavelmente demoraria mais para realizar a compra, pois essa informação é imprescindível.

Portanto, é preciso ir além de fornecer dados importantes no título ou descrição. Afinal, “a imagem também fala”. E converte.

A Unilever fez um teste para verificar se as imagens hero realmente alteravam a taxa de conversão no e-commerce. E o resultado é que as vendas semanais de um produto com imagens hero aumentaram em 74,5% em relação à imagem convencional.

Mas as hero images vão muito além da escolha de um produto, elas também evitam problemas no pós-venda.

Um dos principais motivos de reclamações de consumidores é quando o produto que chega à sua casa não é o mesmo que estava na imagem. Ou pelo menos, o mesmo que ele esperava que fosse. Com as hero images esse problema não acontece e você melhora a experiência de compra online.

E quando você tem um relacionamento com os fornecedores, esse tipo de imagem já é enviada por eles. Então, eles têm todo o trabalho de produzir as imagens hero e você precisa apenas subir para o seu site.

2. Lâmina HTML

A lâmina HTML é uma peça visual inserida dentro da página do produto para auxiliar o consumidor a tomar uma decisão de compra. Ela contém as características principais do produto e atrai os olhos dos usuários pelo seu formato diferenciado. Confira o exemplo abaixo da LG:

fotos no e-commerce

Esse é um recurso que as grandes marcas estão utilizando com frequência. Portanto, quando você estabelece um relacionamento mais próximo com os seus fornecedores, eles encaminham esse tipo de conteúdo para você enriquecer a página do produto.

3. Vídeos

Os vídeos também são uma ótima aposta para aumentar as suas conversões online. Eles podem entrar dentro das lâminas HTML ou serem um complemento às imagens principais e extras do produto.

Principalmente em itens de alto valor agregado, os vídeos fazem todo sentido e são um diferencial na página do produto.

Veja esse exemplo do Magazine Luiza na página de um refrigerador. Como o consumidor não pode tocar e ver a geladeira ao vivo, um conteúdo rico como esse explica detalhadamente cada característica. Isso faz o consumidor não ter dúvida e ter a certeza que realmente é esse produto que ele precisa.

fotos no e-commerce

Você pode até pensar que isso não é verdade ou que não faz sentido, mas pesquisam apontam 64 a 85% dos consumidores ficam mais propensos a comprar depois de assistir um vídeo do produto. Incrível, não é mesmo?

64 a 85% dos consumidores ficam mais propensos a comprar depois de assistir um vídeo do produto.

Mas aí você pode pensar que o custo de produção de um vídeo é muito alto e realmente é. Porém, se você utilizar uma plataforma que faz com que os fabricantes enviem esses vídeos para você, fica tudo mais fácil. Você acessa o vídeo e disponibiliza no seu site, simples assim.

Conclusão

As fotos no e-commerce são essenciais para quem deseja oferecer uma boa experiência de compra online e conquistar clientes fiéis. Sem dúvida, as imagens são decisivas para a tomada de decisão.

Porém, não adianta focar em fotos de baixa qualidade ou em uma produção caseira. Os consumidores estão cada vez mais exigentes. Portanto, é preciso investir em fotos de qualidade e em conteúdos ricos, como vídeos, lâminas HTML e imagens secundárias.

Também não se esqueça aprimorar a experiência mobile, pois páginas de produto que demoram a carregar ou não focam na usabilidade são facilmente abandonadas pelos usuários.

Portanto, se você for de um segmento que exige direitos autorais das imagens, como moda, é bem possível que você tenha produzir suas próprias imagens.

Por outro lado, se você trabalhar com um alto volume de produtos, como alimentos e bebidas, o ideal é estreitar o relacionamento com os seus fornecedores para que os conteúdos sejam enviados por eles.

Porém, se você entrar em contato com eles diretamente, poderá demorar a receber os arquivos ou ter acesso a imagens fora do padrão do seu e-commerce.

Nesse caso, a dica é utilizar uma plataforma que forneça um catálogo online com os produtos de todos os seus fornecedores. O Placeholder, por exemplo, faz isso de forma inteligente. A ferramenta conecta indústrias e varejistas para a construção de pontos digitais com informações completas para os consumidores.

A verdade é que você tem que compreender a necessidade do seu mercado para se decidir se deve ou não produzir as suas imagens. A única questão que deve ser sempre levada em consideração é: experiência de compra online.

Agora que você já compreendeu bastante sobre imagens no e-commerce, que tal descobrir como as avaliações e comentários podem aumentar as vendas do seu e-commerce? Descubra!

 

Especialista em Inbound Marketing na Lett e uma jornalista apaixonada pelo que faz. Fascinada por viagens e que adora experimentar comidas diferentes.

Deixe um comentário

Por favor, Log in para comentar
avatar
  Seguir  
Notificação de
12 mins

EQI: a primeira pesquisa que avalia a qualidade do e-commerce brasileiro.