O varejo está preparado para vender para a geração millennials?

20 outubro - 2018
4 mins

“O varejo precisa se desenvolver na velocidade da cultura”, é o que diz Tom McGee, colunista da Forbes. Segundo ele, essa velocidade é definida e acelerada pelo avanço das tecnologias e evolução dos consumidores que irá utilizá-las.

Nesse sentido, estamos falando da chamada “geração millennials” ou também conhecida como “geração Y”. Ela é representada por pessoas nascidas entre os anos de 1980 e 2000, ou seja, aquelas que possuem entre 17 e 37 anos.

Por representarem mais de um quarto da população mundial, esses consumidores se tornaram uma parcela significativa da força de trabalho e consumo. E ainda, foram eles que presenciaram uma das maiores inovações dos últimos tempos: a internet.

O fato é que a geração millenials mudou muito o comportamento de compra. Então, a pergunta que fica é: será que os produtos e serviços conseguem atender essas pessoas com qualidade?

Será que varejistas e fabricantes estão levando isso os desejos e hábitos desses perfis na hora de se posicionarem no varejo? Como esses players podem se preparar para vender para esse público?

Então, para ajudar nessa missão, separamos algumas dicas e regras que todas empresas devem seguir para atingir a geração mais importante para os negócios atualmente! Confira!

Regra 1: informação e conectividade são fundamentais

A geração millennials cresceu e se desenvolveu junto com a internet. Sendo assim, essa geração espera usar tecnologia em todos os aspectos de sua vida. Eles querem fazer compras, usar redes sociais, conversar com amigos, pesquisar online e pagar por serviços na conveniência de seus smartphones e tablets onde quer que estejam.

Estamos nos deparando com uma geração de consumidores muito mais exigente e seletiva do que a geração que o varejo tradicional está acostumado. Sendo assim, as transações comerciais e vendas são concluídas apenas se o cliente está satisfeito e certo de que ele tem posse de todas as informações necessárias sobre a sua compra.

O cliente hoje não se dá ao luxo de comprar um produto que ele não tem certeza que atende às suas necessidades. Portanto, o acesso a informação é fundamental no processo de decisão de compras.

Nesse sentido, temos duas questões básicas e indiscutíveis:

  1. Cliente em dúvida não compra
    A falta de informações sobre os produtos causa perda de vendas significativas.
  2. Cliente que compra gato por lebre é ex-cliente
    Não é raro encontrar produtos sendo vendidos com informações incorretas no e-commerce. Ou seja, clientes que compram um produto no e-commerce e recebem outro em casa, além de se tornarem ex-clientes, podem difamar sua marca na internet.

Regra 2: os consumidores são omnichannel

As pessoas exigem respostas para as suas dúvidas, no momento, lugar e canal que eles precisam. E quais canais são usados nessa busca por informação? Os mais diversos possíveis, como: vendedores em lojas físicas, Google, e-commerce, blogs, etc.

O consumidor é omnichannel, ou seja, eles analisam o produto e a compra no ambiente físico e no online.

Independentemente se o consumidor está em casa ou dentro de uma loja com um smartphone na mão, a internet é ponto em comum na busca por informações de confiança, não importa onde ele finalizará a compra. O que importa é como as informações que ele pesquisará sobre os produtos irão influenciá-lo na escolha do que comprar.

E não estamos nos baseando em “achismos”, os números comprovam essa realidade:

varejo geração millenials

Fonte: Deloitte

Muitas lojas já entenderam isso e estão quebrando vários paradigmas do varejo. Por exemplo, alguns players já consideram as lojas físicas como vitrines, no qual os consumidores têm a experiência de conhecer melhor os produtos e entender seus benefícios. Além disso, sabem que as chances deles realizam a compra online é cada vez maior.

Esse é um modelo disruptivo que consegue reduzir bastante os custos logísticos de balanceamento de estoque e distribuição para centenas ou milhares de pontos de vendas ao redor do país.

Dessa maneira, as empresas investem bastante para oferecer plataformas digitais com excelentes experiências aos usuários e conseguem repassar a redução de custos em produtos mais baratos para os consumidores.

Regra 3: entender hábitos e consumo é essencial

Existem alguns hábitos mais comuns na geração millennials que podem gerar ações práticas, tanto para o varejo quanto para a indústria. Isso possibilidade uma maior visibilidade no mercado e, consequentemente um aumento de vendas. Vamos a eles!

Acompanhamento de blogs, youtubers e outras celebridades do mundo digital antes decidir qual produto comprar

Sua empresa já mapeou quem são os maiores influenciadores nas decisões de compra das suas principais categorias? Você está conseguindo direcionar tráfego a partir desses canais? Se ainda não, então é hora de pensar nesses fatores!

Utilização de gadgets e outros canais durante o ciclo de compra

O conteúdo dos seus produtos está preparado para ser acessado de multi-plataformas? A página é responsiva? Se não for, as chances do consumidor desistir da compra e até do produto são grandes.

Valorização da autenticidade e a transparência das marcas perante seus consumidores

Como estão as as avaliações dos seus produtos feitas pelos próprios consumidores? Você está acompanhando, dando feedbacks e usando essas informações para melhorar seus produtos e serviços? Monitorar o rating & reviews no e-commerce é fundamental.

Foco no relacionamento das marcas com seus consumidores nas redes sociais

Quais são as dificuldades para um consumidor interagir com a sua empresa? Sua marca está presente e ativa nas redes sociais e gera engajamento com os internautas? Seus sites possuem suporte em caso dúvidas por parte dos usuários?

Conclusão

E aí, depois de ler essas dicas, o que você acha? Seu e-commerce ou a sua marca está preparada para atender aos anseios da geração millennials? Se você ainda não segue essas dicas, é hora de começar!

Esses jovens estão tornando o hábito de consumo em um processo mais inteligente, complexo e interconectado. Portanto, é muito importante estar conectado com seus consumidores e se engajar para oferecer informações precisas e completas em todos os canais que a geração millennials utiliza.

Para te ajudar a entender ainda mais como melhorar a experiência de compra para a geração Y, é importante compreender o mercado. Então, descubra como está a qualidade do e-commerce brasileiro no EQI!

Especialista em Trade marketing Digital na startup Lett. Atua na área de produto e marketing, criando estratégias que ajudam marcas e varejistas a construírem pontos de vendas digitais perfeitos.

Deixe um comentário

Por favor, Log in para comentar
avatar
  Seguir  
Notificação de
4 mins
e-commerce quality index

EQI 2019: a qualidade do e-commerce no Brasil, Estados Unidos e América Latina.